O histórico familiar como fator de risco para o câncer de mama

O histórico familiar é um indicativo fundamental para a avaliação do risco de incidência de câncer de mama. Em especial, porque estamos falando de uma doença responsável por 25% de todos os casos de câncer que acometem mulheres ao redor do mundo.

Dessa maneira, o O histórico familiar contribui positivamente para compreender eventuais fatores de risco em pacientes. Dessa maneira, Assim sendo, vamos entender um pouco mais a relevância em conhecer sobre a importância de se conhecer os registros de parentes para avaliar os cuidados necessários para se prevenir contra a doença. Confira!

A relevância do histórico familiar

Entre os fatores de risco a serem analisados, nos exames preventivos e diagnósticos do câncer, o histórico familiar é um dos principais, já que a ocorrência da doença em outros parentes de primeiro grau pode indicar a existência de um fator genético que aumenta a probabilidade de de câncer de mama na família.  Afinal, trata-se de uma condição que pode ser facilitada diante da ocorrência de quadros familiares anteriores.

No entanto, já vale um aviso: a ausência de casos na família não significa que você está a salvo da doença. que os outros membros da família estão a salvo e não terão câncer de mama. O histórico familiar é apenas um de entre outros fatores considerados de risco.

O problema disso está no fato de que a ocorrência pode ser potencializada por esse fator. Estima-se que de 5% e 10% dos casos de câncer de mama estão relacionados ao fator genético. Nesses casos, existe um aconselhamento às pessoas realizarem os para que os exames preventivos comecem a ser realizados antes dos 40 anos 10 anos antes à idade da pessoa cujo histórico familiar tenha registrado o câncer.

Por exemplo: se a mãe de uma paciente teve câncer de mama aos 45 anos, o ideal é que as suas filhas iniciem os exames preventivos com 35 anos de idade.

A prevenção como o melhor combate contra o câncer de mama

Diante desse fator de histórico familiar no prontuário de uma paciente, é importante a realização de um mapeamento genético. O mapeamento genético também é muito importante nestes casos. Por meio dele, especialistas traçam o histórico de câncer de 3 gerações anteriores, em média, para averiguar os riscos.

Para isso, o teste leva em conta diversos dados pessoais, como:

  • A idade que a paciente tinha ao ser diagnosticada com câncer;
  • O órgão afetado;
  • Se a doença evoluiu e causou a morte dos parentes.

Com os resultados em mãos, as chances de a paciente ter câncer de mama são avaliadas, o que permite um tratamento preventivo e acompanhamento mais cuidadoso intensos.

A consulta é a melhor prevenção contra o câncer de mama

O histórico familiar é, sim, um agravante a ser analisado e que contribui — minimamente que seja — para a ocorrência de câncer de mama nas pessoas.

Vale observar, no No entanto, que independentemente de qualquer suspeita que você tenha, o melhor caminho para se prevenir contra a doença é por meio da mamografia. Isso significa que independentemente de apresentar algum sintoma você deve fazer mamografia anualmente se tiver mais de 40 anos diante da presença — ou não —, as visitas recorrentes ao médico são fundamentais para minimizar os índices do câncer de mama no país.

Dessa maneira, lLeve as suas dúvidas e suspeitas ao médico, e crie o hábito de fazer da prevenção, o melhor remédio contra o câncer. Assim, ele e sua equipe conseguem examinar e diagnosticar com precisão o seu quadro clínico, encaminhando você às eventuais as etapas seguintes — como é o caso da mamografia, um dos exames mais importantes nesse sentido.

No entanto, já vale o reforço de que o seu histórico familiar de câncer é um bom ponto de partida para se conscientizar a respeito do exame e das visitas periódicas ao médico. Afinal, embora não seja um dos principais fatores de risco para a doença, ele faz parte de uma listagem que deve ser acompanhada e monitorada para que a prevenção e eventuais tratamentos sejam realizado em tempo — o que aumenta as chances de sucesso.

 

Deixe um comentário