Retirada da mama x autoestima: como alcançar o equilíbrio?

Trazemos, no post de hoje, algumas dicas para como lidar com a autoestima após a retirada da mama.

Você sabia que o câncer de mama é o tipo de câncer mais comum entre as mulheres, no Brasil, e em todo o mundo.

Segundo dados do Instituto Nacional do Câncer (INCA), depois do câncer de pele não melanoma, o câncer de mama é responsável por aproximadamente 28% dos casos novos a cada ano.

Além disso, apesar de ser relativamente raro antes dos 35 anos de idade, após esta idade a sua incidência cresce de maneira significativa, especialmente após os 50 anos.

Como existem vários tipos de câncer de mama, que evoluem lentamente e outros de forma rápida, a maioria dos casos tem um bom prognóstico. E o tratamento do câncer de mama também pode variar muito, de acordo com o tumor de cada paciente.

Entre as formas de tratamento estão: radioterapia, quimioterapia, terapia hormonal e mastectomia, ou seja, a cirurgia para retirada parcial ou total da mama. A mastectomia foi o primeiro procedimento médico capaz de curar o câncer, pois consiste na retirada da mama, o que impede que o tumor se espalhe para outros órgãos do corpo e não continue se desenvolvendo.

Entretanto, como o seio feminino é uma das partes do corpo mais valorizadas, pois remete a valores associados à fertilidade e à feminilidade, é muito difícil para uma mulher que foi submetida à cirurgia a retirada da mama.

Pensando nisto, resolvemos trazer, no artigo de hoje, algumas dicas de como lidar com a autoestima após a retirada da mama. Acompanhe:

#Procure ajuda psicológica mesmo antes da retirada da mama

A mulher que vai passar por este tipo de cirurgia precisa, desde o início, compreender que uma mastectomia poderá afetá-la psicologicamente quase tanto como fisicamente.

Por esse motivo, uma boa alternativa é explorar terapias para ajudar a lidar com os efeitos emocionais de uma cirurgia, mesmo antes do procedimento.

#Busque apoio em grupos e Organizações Não Governamentais

Que tal compartilhar a sua realidade e as sua experiências em um grupo de apoio ou mesmo Organizações Não Governamentais (ONGs), que tenham como escopo o apoio às mulheres que estão passando pela mesma situação que você?

Existem diversas iniciativas que tentam colaborar com a autoestima e o empoderamento das mulheres que enfrentaram a mastectomia. A ONG Meninas de Peito apoia milhares de mulheres nesta condição. Entre elas, há total liberdade para falar sobre o tratamento, compartilhar dúvidas sobre a temida quimioterapia, efeitos dos tratamentos, comemorar resultados de exames, trocar dicas de maquiagem, lenço, perucas, cremes e outros “segredinhos” que ajudam a elevar a autoestima e driblar os efeitos colaterais das fortes medicações.

#Opte por uma cirurgia de reconstrução da mama

Você sabia que cirurgias de reconstruções da mama para casos de câncer de mama são disponibilizadas gratuitamente pelo Sistema Único de Saúde (SUS)?

A Lei 9.797 de 1999 garante às mulheres que passaram pelo processo de mastectomia total ou parcial, a cirurgia plástica reconstrutiva, e em caso de condições técnicas e médicas, o procedimento pode ocorrer logo após à retirada do câncer.

A lei foi criada levando em consideração que a retirada da mama é considerada uma mutilação emocional para a mulher, já que o seio é um símbolo da identidade feminina e da fertilidade.

É possível sim passar por uma mastectomia com a autoestima elevada!

E lembre-se: uma mulher que luta contra o câncer de mama pode aprender a amar seu corpo após a retirada da mama e se sentir tão cheia de feminilidade e confiança como antes da cirurgia. Além disso, nunca se esqueça de manter a positividade, pois é totalmente viável passar uma mastectomia com a autoestima elevada.

E aí? O que você achou do conteúdo de hoje sobre como manter autoestima mesmo após uma cirurgia de retirada da mama? Compartilhe a sua opinião ou experiência conosco nos comentários, pois teremos o maior prazer em ajudar!

Deixe um comentário